segunda-feira, 27 de abril de 2015

Que mãe eu sou? (hoje)

Que mãe eu sou hoje?

Chata.

Assim sou definida pelo meu filho e ouço com frequência, para não dizer todos os dias.

Eu sou a chata porque pego no pé, 
peço para desligar a tv e ir fazer outra coisa,
proponho outras coisas mas nunca são tão legais,
temos horário para comer, dormir,
fazer a lição de casa é prioridade as outras coisas vem depois
entre tantas outras coisinhas.

Coloco limites algo tão em falta hoje em dia.

Sei que ele me ama e mesmo assim me acha uma chata de galocha.

Sei que essa idade é um desafio e que também é uma fase que vai passar porém tem dia que cansa tanto.

Sei também que um dia ele irá perceber que tudo que fazemos é para seu bem, temos essa esperança.

Tudo isso me faz voltar no tempo e revisitar minha infância que não foi a mais doce da história. Confesso que prefiro ser essa mãe chata do que a mãe indiferente com quem convivi que hoje colhe frutos amargos mas isso é outra história, minha história que acaba refletindo na minha relação com meu filho.

Todos os dias eu peço a Deus força para continuar na caminhada, discernimento para não cair na tentação do caminho mais fácil e muito menos repetir os erros de um passado próximo. Não quero perpetuar situações e lembranças que não deixaram nada de bom.

E assim seguimos nessa caminhada chamada maternidade que aqui é real, nua e crua e sem maquiagem de revista.

Enquanto isso... mesmo eu sendo "a chata" ele não desgruda e eu adoro ele pertinho.

Uma foto publicada por Graziela Flor (@gra_flower) em

2 comentários:

  1. Antes chata do que indiferente. Excelente essa tua colocação. É cansativo, é exaustivo ser chata. Não é algo que se escolha por prazer. Seria muito mais fácil não ser a chata.
    Ouço também diariamente o adjetivo que nos define, mas esses dias, de tanto ouví-lo, chamei o garoto de 12 anos que o profere e perguntei "como então você gostaria que eu fosse?
    Ele me olhou demoradamente nos olhos e respondeu - assim mesmo, riu nào gostaria que fosse diferente, nào seria você e eu sei que tudo isso ( a chatice ) é importante para mim.
    Sigo chata!
    Beijo.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Graziela!
    Também já fui chata... continuo sendo, apesar de não mais ouvir. Lembro que passei a chamar meu filho de chatinho todas as vezes em que ele me chamava de chata. Daí eu dizia: "Seu chatinho, não sabe que é muito chato pra mim todos os dias dizer para você fazer coisas que já devia fazer sem que eu pedisse?". Isso foi tão martelado na cabeça dele, que começou a fazer só para não ouvir. Acho. Já os finais de semana eram sem tanta cobrança com horários.
    Também acho que chamar de chata, denota um tanto de "cumplicidade"... rs.
    Beijus,

    ResponderExcluir
Related Posts with Thumbnails