quinta-feira, 22 de maio de 2014

Amor em forma de palavras.

Porque o dia das maes e' todo dia.

Texto do Alessandro Martins 




Para adormecer, para despertar

Existem 417 maneiras de fazer alguém adormecer.
Uma delas é conhecida como cafuné.
Todas as mães, antes de se tornarem mães, fazem um curso de cafuné na escola de cafuné.
O cafuné é a mãe esculpindo o sono do filho.
A minha tem um jeito especial de fazê-lo. Parece uma assinatura que busco repetir nas cabeças alheias.
Começa amplo, como se fosse uma conversa com os cabelos, a dialogar com cada um. E, a cada um, diz coisas importantes.
Desliza esse discurso suavemente para os fios.
Amplamente, como a reconhecer o território que já conhecem, sem embaraço nenhum, os dedos misturam-se à seda.
Pois para a mãe os cabelos do filho sempre são de seda. Ainda que ele, já crescido e calvo, nem tenha mais cabelos.
Depois de percorrer toda a cabeça, encontram um ponto, próximo às raízes e ali, nessa área tão pequena, decidem ficar.
Então, com muito cuidado, as unhas inventam uma coceirinha onde coceirinha não havia e em um milímetro quadrado escavam um pequeno buraco e jogam uma sementinha de sono.
Pelo mesmo lugar, entram os sonhos bons que povoam as noites. O cafuné só acaba quando todos os sonhos já entraram e nenhum ficou pra fora.
Mas aí eu já tinha adormecido. Nunca vi um cafuné terminar.
Existem 219 maneiras de fazer alguém despertar. As mães conhecem todas.
E elas também sabem que nos dias mais frios do ano é muito difícil acordar para ir para a escola.
Lembro de, certa manhã, minha mãe a entrar suavemente no quarto.
A porta se abriu e deixou uma faixa de luz e o cheiro de café que vinha da cozinha penetrarem na escuridão aquecida.
Com passos suaves, como se não quisesse me acordar, ela se aproximou.
Lentamente, deu corda no despertador. Deixou-o ao lado da cabeceira. Ainda de olhos fechados, pude ouvi-la se afastando enquanto eu aproveitava os minutos de sono que ainda tinha.
Mas antes que ela se afastasse, pude ouvir.
Não o despertador.
Mas as notas da caixinha de música que ela acabara de deixar para acordar-me tão suavemente quanto ela, com o cafuné, me fizera dormir.
Vesti-me, tomei o café e fui para a escola. Cumpri o dia como costumo cumpri-lo, até hoje.
Mas desde então não sou mais o mesmo.
Carrego sempre um cafuné nos cabelos e uma caixa de música nos ouvidos. Presentes de minha mãe que levo para a vida.

4 comentários:

  1. Aplausos! Eu me emocionei absorvendo texto tão maravilhoso. Obrigada por compartilhar Grazi!
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Ímpar:
    Texto
    Lembranças
    Sentimentos
    Verdades

    Carinho, cafuné e cantos de passarinhos :)

    ResponderExcluir
  3. Lindo, Gra! Adorei o texto e compartilhei-o!
    Bjão pra todos vcs! :) <3

    ResponderExcluir
  4. Adorei! É tão bom ter lembranças assim...

    ResponderExcluir
Related Posts with Thumbnails